8 de jan de 2010

Homem+Mulher[virgens]+Elevador+Desejo=SEXO!


[versão dele]

Escrito pelo meu formidável amigo:
Marcelo, do Blog P A L A V R I N H A S!
[que já já aparecerá com um novo Blog em parceria, aguardem!!!]

Fim de tarde, sem pão em casa, a fome batia no estômago e a pressa no relógio, já cansado e cabisbaixo entrei no elevador, e lá estava uma moça, a olhei e toda aquela fadiga parecia ir embora como se aquela desconhecida me deixasse excitado. E deixou!
Pensei nela nua, sem aquela roupa que não era tão provocante pois alguém nu no elevador é pra quem pensa demais em sexo, e não vou mentir, quando a vi dos pés a cabeça olhando disfarçadamente e é claro que pensei naquilo que junta os humanos e instigam aqueles que nunca experimentaram do jeito que tem ser, gostoso, prazeroso.
Flutuei no contorno daquele corpo, naquele certo olhar tímido e incerto, se a vi mais vezes foi nos sonhos delirantes na calada de qualquer madrugada quente e abafada, seria nova no prédio ou talvez uma vizinha vinda de longe, dum lugar em que ela está cansada de ver homens excitados a olhando com vontade de agarrá-la com ferocidade e satisfação, eu sou um deles, mas sou diferente por ser novo.
O pensamento é tão vasto que até me esqueci do que ia fazer na rua, o pão fresco com manteiga derretendo sumiu da mente e deu lugar a uma mulher se despindo bem lentamente naquele elevador com temperatura máxima, e pra deixar a situação mais ousada ninguém mais entrou naquele espaço, só nós dois, oh, dois desconhecidos, acho que não posso ser normal, não é só a virgindade. Revolto-me com a nenhuma provocação que pode causar por uma roupa (roupas dão pango pra manga), fico de súbito, parado vendo aquelas vestes, soltas, caindo e se espalhando pelo piso, tecido leve, blusas e seus decotes, calças e suas coxas firmes, como nos filmes uma cena longa só para nós dois, desejo incontrolável e irritante porque a perplexidade é tão grande que ela se defronta com o medo existente e nem um “oi” sai no momento, e quase chegando a hora de sair do elevador um “oi” não seria bom, e nem um “tchau”, soaria estranho me despedir do nada sem que antes tenha saído nenhuma palavra da minha boca.
Boca, suaves lábios, queria que ela me desse a sua de presente para enfim e um beijo selasse um começo de uma aventura, sou um pouco romântico (isso não nego) e isso até define a personalidade desse pobre homem cheio de fome, a boca e a fome, como para matar a fome, mas ainda estou faminto, depois daquele momento em que ela saiu primeiro do elevador, fui na padaria, três pãezinhos bem moreninhos, quando voltei comi os três mas bem que queria ter comido algo a mais, quem sabe em uma outra ocasião, uma manhã de chuva, pode ser!

[versão dela]

Depois de olhar por dentro, e analisar completamente um apartamento que pretendo comprar, percebi que seria fácil ficar andando de elevador, já que no outro só tinham escadas... Entretanto, tenho pavor de entrar no elevador sozinha... dei um tempo, mas ninguém apareceu, então... Entrei! No andar de baixo o elevador foi solicitado, ufa! Que alívio... Ele entrou, e junto a ele um fogo que subiu dos meus pés a minha cabeça. Parecia um tanto mais novo que eu, mas nem tanto. Ele me olhou de cima a baixo e eu fiz de conta que nem percebi. Dia quente e muitos andarem a serem percorridos até o térreo. Já li em algum lugar que um homem e uma mulher num elevador é indício de sexo... Mas eu não sei nem porque eu estou pensando nisso, POMBAS! Afinal de contas... nem sei como é, nem pra que lado anda. Ele tinha uma barba por fazer, um rostinho agradável e parecia a vontade. Deve morar alí também. Se o comprador tivesse dito, quem sabe eu não teria chorado tanto no preço. Pensei nele me agarrando, tirando a minha roupa, apertando meus seios e minha coxa, eu gemendo de tesão e o porteiro vendo aquilo tudo e ficando com tesão também. Nossa! Seria muito bom... Eu beijaria aquela boca, deslizaria minhas mãos no cabelo dele, aqueles cabelos sedosos, aquela boca... aqueles braços... Para! Por que será que eu pensei em sexo automaticamente quando esse homem entrou? Elevador... Mulher... Homem... Ele não deve ser virgem também, né?! Mas... INFELIZMENTE já está chegando no térreo e ele vai embora... E eu também! Ah, esse prédio...

6 reações:

tossan disse...

Virgens?Rsrsr...Vige!!! Um desencontro logo no primeiro dia, mas serão vizinhos e tudo pode acontecer ou não! Belo texto!

Mihage disse...

Ele: Desculpe-me interromper o seu silêncio mas queria lhe fazer uma pergunta...eu poderia?

Ela: "tímida" Pode sim!

Ele:Você sabe a diferença entre comer pães e fazer dexo?

Ela: Não

Ele:Então queira me acompanhar para comer uns pães, por favor!

Alvaro Oliveira disse...

Olá amiga Poetíssima

Estava mesmo esperando que pegasse fogo. rsrs Vá lá, por esta vez, se comportaram. NMo próximo encontro,
estou certo que pega mesmo fogo!!!

Belo texto, muito imaginativo!
Entrada em força em 2010,
Felizmente regressou.
Descanse este fim de semana. tá?

Beijinhos

Alvaro

Daniel Savio disse...

Temos de alimentar as vezes os desejos...

Fique com Deus, menina D'lírios.
Um abraço.

Jéssica V. Amâncio disse...

hahahahaha. Gostei até.

Amapola disse...

Bom demais... adorei!
Ah... muito obrigada pela sua visita e pelo elogio.
Com certeza, seu blog fará parte do meu cotidiano.
Parabéns!