30 de jun de 2012

Sexta, delícia, diferente, mas ainda é sexta.. #


-Amor, quero te ver, pode vir aqui me ver ou vou aí?
-Você que sabe, querido...
-Eu gostaria que você estivesse aqui...
-(risos)
-É que...
-Já entendi. Estou a caminho.
Privacidade. Sim, era isso que ele queria. Ela já sabia quando ele começava com aquele 'é que', quase implorando pela ida até ele inconscientemente. Lá, só a cama, o suor e as paredes eram testemunhas. Ah, e a água depois, no banho, que ardilosamente descobria tudo. Quiçá até via, um segundo round debaixo dela. Vê-lo quando ele falava naquele tom chega embrulhava o estômago. As borboletas, que falava o poeta. Porque era como se algo novo a esperasse. Ele surpreendia algumas vezes. E algo em particular deixava aquele dia mais quente. Quem sabe a chuva. 
Arrumou-se toda. Perfume mais saliente. Roupas mais fáceis. Sorriso de orelha a orelha. Hoje é sexta, alguém lembra? As sextas parecem guardar um segredo. As sextas são únicas. Não queria atrasar e resolveu pegar uma moto táxi. Chegando em menor tempo nos braços dele, deixando surpreso. Pegou-o ainda de cueca. A intenção era colocar alguma roupa para ver ela. Como se precisasse, não é mesmo? Eu vou ter que tirar tudo mesmo, não precisa de mais roupas - disse ela aos risos. Ele ficava excitado com aquelas atitudes dela. Ele gostava quando ela vinha caçar. Quando o lado selvagem dela era o dono do clima, o orientador dos sentidos. 
Ela adentrou a casa com uma certeza: queria sair satisfeita. Afinal, hoje é sexta, né minha gente?! Ele deixou morangos, vinhos, leite condensado e bombons sobre a mesa. Parecia até que ia arrumá-los melhor, mas, não importava mais naquela hora. ela jogou a bolsa no sofá e simplesmente sentou-se puxando contra seu corpo para um longo e molhado beijo repleto de saudades de toda uma semana. Ele estava sempre recíproco, porém, não estava tão selvagem. Algo nele estava mais delicado. Ela sentiu o perfume mais leve, o tato mais cauteloso, a língua mais delicada, a respiração mais cadenciada, os olhos mais ternos. Parecia estar romântico e ela não ia, lógico, estragar o momento que o bonitão queria lhe proporcionar.
Ele colocou uma música mais lenta, não tinha rock hoje. E ela sentiu que precisava daquilo. Afinal, não precisamos de todas sextas selvagens, não é mesmo?! Ele beijou-a com tanto carinho e tesão que ela derreteu e desacelerou. Ele estava querendo degustar e não devorar. Tirou a roupa dela bem devagar, beijando cada parte de seu corpo, olhando-a penetrantemente nos olhos. E foi umedecendo-a, deixando em ponto de enlouquecer. Beijou suas coxas, e foi para suas pernas. Ela sentiu um súbito de cócegas e tesão ao mesmo tempo. Seu corpo retorcia, arrepiava, contraía. Ele buscou ávidamente com as mãos sua fenda entre suas pernas. Úmida, quente, latejando. Tocou-a enquanto beijava suas pernas e pés e deixou ela sem controle. 
Aquilo não era apenas gostoso. Aquilo era intenso, aquilo era sacana, aquilo era torturante. Sentiu o corpo todo fugir-lhe e todos os seus sentidos aguçados. Diria Paulo Coelho que estava pronta para qualquer coisa ao sentir um orgasmo com todos os sentidos em pleno funcionamento. Gozou. Seu corpo debatia-se no sofá. Ele a prendia com as mãos, intensificando as carícias. Deixando-a LOUCA. Sim, caros leitores. Homens, façam o teste. Ele bebeu todo aquele néctar e deixou ela ainda mais molhada. O tesão tomava conta de seu corpo. Ela lhe sorriu e sem hesitar lhe retribui toda a carícia, indo ao chão encontrá-lo. 
-Vamos para o quarto, querida?
-Não preciso de cama para possuir-te... 
E ali, na sala, entregaram-se a mais uma sexta. Movimentos mais lentos, degustadores. Ela cavalgava sobre o corpo dele, acariciava-o com a boca. Engolia sua fluidez. Mudava de posição. Beijos. Vai. Puxão. Vem. Mordidas. Em cima. Apertos. Em baixo. Socadas. De lado. Sexta... uma, duas, três... sextas, suas lindas, adoro. # 

11 reações:

Isa Lisboa disse...

Acho que o melhor não é ser sexta-feira, mas sim ser dia de matar saudades!

Obrigada pela visita! Beijos

Leovi disse...

Una delicia resbalar por tus palabras.

Natural.Origin disse...

Sexta. :)

Parole disse...

Muito boa essa sexta-feira.Gostei!


Beijos e grata pela visita.

mfc disse...

Intensíssimo e absolutamente delicioso... do princípio ao fim!
Um texto que sobe de intensidade a cada palavra escrita!
Um beijo enorme... e vivam todas essas sextas!

Liza Leal disse...

APENAS um dia assim, e os outros se tornam "o paraíso".

tim tim!
.
bjo

Ricardo Miñana disse...

Unas letras sugerentes,
que tengas un feliz semana.
saludos.

tossan® disse...

Belíssimo! Delirei. Bj

Nilson Barcelli disse...

Magnífico texto.
Sensualidade intensa...
Querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.

O Árabe disse...

Nossa! Que intensa sexta! Muito bom texto, boa semana!

O Profeta disse...

Como se ama uma planta que não floriu?
Como se ouve um coração em silêncio total?
Como se sente uma dor que a paixão desenhou?
Como se alcança o Sol quando o dia morreu, acabou?

Um Outono invadiu esta ausente Primavera
Povoei esta ilha com palavras em baixela de poesia
Encontrei uma casa da manhã com verdade e revolta
Construi a claridade com fogo de uma chama já morta

Bom fim de semana

Doce beijo