12 de jun de 2009

Ardência


Hoje vou ao teu quarto, à noite,
prepare-se, pois não estou brincando,
quero-te intensa e imensamente.

Te olho faz tempo, e já perceberdes,
fico à espreita, estudando cada uma de tuas ações.
Aguarde, saberás por que me chamam de Fêmea.

Não me detenha, e não sorria sádico, obedeça,
farei de ti um homem por inteiro,
mas não me ligue no dia seguinte,
se eu desejar, voltarei.

Alisa-me como eu quero, e beija-me,
dos pés a cabeça, da forma que desejo, salivante.
Não estou a lhe pedir ardência, lembre-se sempre,
estou a vos dar a oportunidade de sentir prazer.

Prazer ao meu modo, a minha maneira.
Tocarei teu corpo e te arranharei,
quero que me lembre no dia seguinte,
que clame por meu cheiro de novo.

Quero que me lembre e que arranhe-se de raiva,
por não me ter acariciando-te e te deixando rígido.
Quero que enlouqueça lembrando que eu te marquei,
de batom, e não foi somente em sua boca.

Quero ver-te tremer e sussurrar meu nome,
gritá-lo aos ventos que adentrarem o quarto,
que mesmo fortes, não esfriarão o furacão de nós dois.

Tempestuosa dar-te-ei meu néctar mais líquido,
ardorosos beijos e carícias de ardor. Amor, nunca.
Não me ame, nem permita-se pensar em prender-me.
Quero calor, ardor, ardência.

Quero me deter nos teus saborosos abraços,
depois que o sol iluminar o quarto
e tornar claro nossos corpos ardentes.

Não pergunte meu nome, sou apenas Fêmea,
não me procure, retorno a dizer.
Se eu precisar volto a ti, mas somente se eu assim achar melhor,
somente se eu quiser, somente se eu desejar.
Por enquanto, aviso, estarei no teu quarto hoje à noite.

17 reações:

tossan disse...

Isso é que é mulher, sem cobranças e direta no assunto! Gostei da poesia, muito bonita!

A.S. disse...

Vem!...
Torna a noite um sol,
um ciclame de fogo!...

Alvaro Oliveira disse...

Olá amiga

Belíssimo este poema.
Ardência intensa, sentimento
de amor ardente. Adorei!

tenha um lindo fim de semana

Um beijo

Alvaro

Silvana disse...

tens aqui um belo blog.
adorei os posts :)

Alvaro Oliveira disse...

Olá amiga querida

Vim fazer uma visitinha no seu cantinho e acabo de ficar intrigado
porque não vejo aqui o meu prémio
Amizade e Fidelidade.
Será que eu cometi a falha de não
lho atribuir? diga-me algo.

Um lindo Domingo para si

Um Beijo

Alvaro

Alice disse...

Uauuu !! mais isso aqui ta muito bom !!



bjkasssss

Jéssica V. Amâncio disse...

quanto poder!! adorei.

Äмbзr Gïrℓ ⅞ disse...

puxa que lindo, lindo mesmo...

uma sedução irrestível mesmo.
demais.

amo poemas com ares sensuais e moderados assim.

Blog Suicide Virgin

DocePecado disse...

Total domínio da fêmea , rsrsrs

Boa ...
Beijo

Shadow disse...

Este texto é de uma sensualidade indescritivel que expressa a verdadeira essencia de ser mulher... Os meus parabens...

O Profeta disse...

Um areal morno acolheu
Teus passos ávidos da chegada
Caminhas na procura das marcas
De uma espera desencontrada

Calmaria!
A bonança reivindicou o Sol no celeste
Uniram-se os pedaços de rasgada vela
Tua alma retomou o sonho adiante


Boa semana


Mágico beijo

jorge@ntunes disse...

sem palavras...

kiss

Davi Machado disse...

Um poema infernal eu diria!
Sempre encontro no que vc escreve uma misticalidade, uma 'musicalidade sensual' que não vem da pura e simples forma banal de ver os dons de Eros!

E todo o calor deste poema mostra muito do que teu talento é capaz!

bjs

Davi

Poetíssima disse...

Obrigada a todos pelos carinhos!
Abraços e beijos em todos!

Poetíssima..#

MADRUGADA... disse...

A sensualidade mora neste poema.

Elque Santos disse...

O pronome possessivo TEU me traz péssimas lembranças CHIQUISTICAS...Porém, entretanto e todavia vamos comentar as ARDÊNCIAS (no momento lá ele [o eu-lírico]pois, quem pega essa de frente tá feito!!!)legal suas férias estão ótimas em?!?! VIVA A São João!!!!

Inominável Ser disse...

A Grande Fêmea, assim espalhando sua fragrância de mil e um infinitos odores, rasgando a viril pele, adentrando na viril pele, ficando aderente à viril pele...

A Grande Fêmea, serpenteando...

Sempre...

Sempre...

Sempre

A Grande Fêmea,
serpenteando...

Poder...

Poder...

Poder...

A Grande Fêmea,
serpenteando...

Império...

Império...

Império...

Tu serpenteais como ela, Poetíssima?