2 de jun de 2009

Menstruação


Eu sangro.
Sinto em meus meios
o calor da vida,
não fecundada.
Eu sangro,
e antes disso sinto raiva.
Um turbilhão de coisas
se passam todas,
ao mesmo tempo,
na minha cabeça,
nos meus braços,
no meu ventre,
nas pernas,
em todos os cantos.
Eu sangro,
e o homem não entende,
dá raiva dele também.
Dá raiva de tudo, enfim.
Não fale comigo.
Estou sensível,
agora estou mais mulher,
mulher no extremo.
Eu sangro,
e tenho dores,
dores só minhas,
dores de mulher,
vontades de mulher,
só minhas.
Eu sangro,
e o que me faz sangrar é vida.
Sinto dor,
o roer da vida não vivida saindo.
Não fede nem cheira, ou fede?
Não quero o que não quero e pronto.
E, do nada, estou sozinha,
mesmo com você do meu lado.
Eu quero sentir-me só, melancolia,
pois o sangue está indo embora,
manda lembranças,
e avisa que virá no mês seguinte.
Eu sangro,
da minha fenda, sai vida, não fecundada,
não vivida.

8 reações:

Alvaro Oliveira disse...

Olá amiga

antes de mais o meu obrigado pela honrosa visita e pelas lindas palavras deixadas.

Quanto a este poema, uma bela descrição do sentir e do sofrimento
da mulher no seu período menstrual.


Um beijo

Alvaro

Hortência Caravante disse...

Sensívelmente inpactante, que não choca e sim toca de modo um pouco violento, mas sereno.

Lindo soneto.

Beijos

e estou acompanhando seu blog.

Bia Maia disse...

Simplesmente bárbaro!
Como você escreveu bem aqui!
Mandou muito bem....e HOJE, coincidentemente HOJE....estou assim: BRAVA...FELINA...IRRITADA...e no meu cantinho...
Mais uma vez está "saindo vida não fecundada...não vivida"...

E mesmo sendo esta a minha escolha, lhe confesso que em alguns meses fico triste por não ter tido filhos, porém em outros, fico extremamente aliviada...

Estou sangrando...e este momento é MEU.

Um beijo em seu coração!

Biazinha

http://olhardentrodosolhos.blogspot.com

Äмbзr Gïrℓ ⅞ disse...

ai, ai, esses dias...
so mesmo um poema assim pra explicar oq ue sentimos, sofremos, passmos...

amei ter vindo aqui!!!
Blog Suicide Virgin

Sandra S. disse...

"Eu sangro, e o que me faz sangrar é vida."

Existirá maior verdade do que esta?

Realismo puro!

gostei,

Miminhos,
Sun.

Davi Machado disse...

Ou eu sou estranho demais, ou sei lá... mas adoro ficar perto de uma mulher com tpm, mesmo sabendo que corro sério risco de morte... rsrs
depois do estado de gravidez, acho que é quando a mulher fica mais sensual, ah... humm...

adorei este post, vc tem essa coisa de força, essa coisa que chama agente pra ler, nunca me arrependo de vir aqui, sabe disso...

abração!
Davi

ps.: quanto 'aquele' poema; tomei coragem e postei, nossa, tó até com medo dos comentários, tomara que ninguém comente... rsrssrs

Branca disse...

Que poema!!!

Lindo, corajoso, intenso, verdadeiro...

Só uma outra mulher pode entender a profundidade de o ser.


Parabéns pelo blog que tá perfeito!

Te convido a conhecer o meu tambem.

bjos

Rii disse...

A imagem está exuberante, hein? Hehe

Prefiro o primeiro, sempre. Primeiros são melhores.
Mas essa fase II tem um quê de impacto, de escrita tpmica.

Adoro!