20 de jun de 2010

Reencontro #


Essas coisas da vida. Como pude te reencontrar? Homem negro da noite fria... que me abraçava e encantava meus ouvidos com sua voz. Tudo normalmente acontecendo e você entrou naquela sala com ar desavisado. Olhei-te com desejo de saber quem eras, pois sua voz... era o máximo da masculinidade que me atraiu. Conversamos e sabíamos que não podíamos nos largar, por nada. Simplesmente porque tínhamos uma espécie nunca vista de relação, mais que pele, mas que amor, mais paixão, mais que sexo, mais que amizade... era diferente, e assim foi, assim é. Não deciframos nunca o motivo de nossos sorrisos. Não sabemos nunca o motivo de ficarmos arrepiados com o toque das mãos um do outro. Coisas de outra dimensão... Ontem te vi, mas não me viste. Melhor assim, não saberia reagir, estava tão tensa, não saberia me entregar aquele encontro. Eu ri... ri tanto ao te ver, saudades. Quando cheguei em casa, lembrei da música que me cantaste num daqueles encontrões descendo e subindo escadas... 'Boa noite' de Djavan.. 'seu ar de dominador, dizia que ia ser meu dono... e nessa, você dançou..' Quem sabe da próxima?!

3 reações:

! Marcelo Cândido ! disse...

O calor humano juntinho ao amor
Nessa onde, não existe nenhum tipo de dor!!

Bia Maia disse...

Sabe minha maninha....isto é bom demais!

beijos em você, queridíssima e uma ótima semana!!

Biazinha

Daniel Savio disse...

É tão boa esta cumplicidade entre os amantes...

Fique com Deus, menina D'lírios.
Um abraço.