14 de nov de 2011

Menstruação


Floresceu,
Nasceu em meio às rosas
Cor-de-rosa, a nova púrpura,
Surgiu, apareceu, deflorou
A flor mais rubra.
Rachou e estremeceu
A inocência cor-de-rosa.
Dorme a menina
E acorda a mulher,
Dona e rainha de toda prosa.
Nem o rasgar do sol no céu,
Provoca tanto temor...
Temos aos homens,
Somente a eles,
Que preferem a desflorecida, 

Cor-de-rosa e franzina.
Tem medo
[e muito medo]
Da mulher
Flor de açucena
De punhal na mão
Sangue na fenda,
E adormecida menina.
Depois de nascida
Em meio a muito dormir
Não volta às antigas.
Rasga e sangra os meios
Para ter vida.
Descobrir o mistério do cosmos,
Da matéria do mundo, jamais lida.
Menina depois de mulher,
Não é mais menina. 
(2007)

6 reações:

Everson Russo disse...

Versos profundos e fortes em sentimentos que trazem amor e paz...beijos amiga e uma bela semana pra ti...

olhar disse...

que lindo o que escreveu!!!!
Acredita que quando me tornei "mocinha", não achei a menor graça??? Aliás, lembro-me que até chorei!!!!

beijhos com meu carinho sempre!


* já te adicionei!Me aceita aí!!

Bia

Fie disse...

Sua poesia é apaixonante sabia?
Saudades também.
E bom... sobre a parceria eu não sei se pode dar certo por que já tentei algumas vezes e parece que minha arte não é muito... hum... compatível com a de ninguém (ou eu que sou muito egoísta e não consigo receber direito a arte a alheia xD).

Podemos tentar, quem sabe contigo não dá certo? =p
Dei uma lida rápida (meio sem tempo agora) em alguns posts seus com outras pessoas e pareceu-me interessante, então, como começamos? x)

Aleatoriamente disse...

Que intenso e bonito poeta.
Beijinho e bom feriado.

Lilian disse...

Lindo,lindo...
Vou ficando.
Beijo

mfc disse...

Fantástico poema de uma beleza extrema!
Lindíssimo.