30 de mar de 2009

Tua cor em minha pele

Não quero mais teus versos.
Nem tua lira, nem tuas canções,
nem tua prosa, nem tua palidez.

Quero tua cor em minha pele,
teus sussurros em meus ouvidos,
teu calor e tua fluidez.

Adentra em mim como brasa,
e aquece-me por inteiro.
Deita-te em todos os meus lados,
e que seja teu meu interior.

Que cada palavra se torne corpo,
ação, sentidos, ardor.
Quero arder líquida e deliquecida.

Toma-me austera, rude e voluptuosamente.
Quero sentir a rigidez de teus delírios,
quero me fazer gemidos,
para que tu se faça suspiros, suor, fluidez,
e, acima de tudo, reminiscências.

Quero-te agora,
dentro,
fora,
aqui, alí e acolá.

Quero-te, quero-te, quero-te...
...adentra.

3 reações:

EMPOEMAMENTO disse...

Hum- hum!

É isso!


beijos vermelhos...

blazelucas disse...

NOoooossa... que poema sensual... e convidativo também... rsrs! brincadeira ;D!O poema ficou ótimo,devo dizer que adorei ele... estava faltando um poema em que você mostrasse mais seu lado sensual... e este cumpriu bastante bem com esse papel.Gostei muito, mostra bem sua veia de mulher desejosa, decidida, que sabe o que quer...^^

Espero mais poemas assim por aqui, rsrsrs!

Bjão!

Sérgio disse...

Não vivo sem você!
Menina-mulher tu és maravilhosa em tua lira...
O homem que um dia tiver a sorte de ter você estará feito na vida!
Você é menina, mulher ( e que mulher..diga-se de passagem ) tem afetividade materna, extremamente carinhosa, sensual no olhar, nos sorriso...rsrsrs..deixa eu parar se não eu me empolgo demais.
Simplesmente perfeito, e aumento o coro em relação a querer ver mais disso por aqui viu?! Beijos...